Vendas do comércio recuam 0,4% em abril


As vendas do comércio varejista brasileiro seguem em queda. Em abril, na comparação com março, o indicador recuou 0,4%, segundo dados divulgados nesta terça-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação mensal, é o terceiro mês consecutivo de resultado negativo.
Em relação a abril de 2014, a queda foi de 3,5%, pior resultado para o mês desde 2003, quando o recuo foi de 3,7%.

Em comparação com março, também foi o pior abril desde 2003, quando a queda foi de 0,4%. No acumulado do ano, de janeiro a abril, a queda é de 1,5%.
“Claro que o comércio está passando por dificuldade. O comércio vem refletindo a dificuldade da economia, por preços que estão subindo, e a renda que está comprometida. [A queda de] 3,5% [na comparação com abril de 2014] reflete mais o resultado do comércio. Quando coloca ampliado [varejo mais veículos, motos e peças], a queda é maior ainda por causa dos veículos que vêm em queda livre”, analisou Juliana Vasconcellos, gerente de Serviços e Comércio do IBGE.

Segundo Juliana, a última vez em que o comércio teve três quedas consecutivas foi em 2003: março, com recuo de 2,4%, abril, com -0,4%, e maio, também -0,4%.

“Abril [a queda de 3,5% em comparação com 2014] é claramente a conjuntura. A renda está caindo, o orçamento das famílias está comprometido, há restrição orçamentária muito grande, crédito está caindo”, explica a gerente do IBGE.

“Apesar de a Páscoa ter sido em abril, este ano as vendas foram concentradas em março porque foi bem no início de abril”, complementa.

A especialista do IBGE afirma que dois setores “estão sobrevivendo” ao momento de queda do comércio. “Farmácias e os setores de equipamento e informática. No comportamento deles, tem recuperação e tendência de subida”, afirma.
Atividades
Em abril, 7 das 10 atividades do estudo tiveram resultados negativos nas vendas: combustíveis e lubrificantes (-0,1%), livros, jornais, revistas e papelaria (-0,2%), material de construção (-1,2%), móveis e eletrodomésticos (-3,1%), tecidos, vestuário e calçados (-3,8%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-5,1%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-12,2%).


Fonte: g1.globo.com