Agente que apurou corrupção é alvo de suspeitas.


A população de Itaguaí assiste a uma reviravolta no escândalo político que provocou a troca do executivo municipal. Após o prefeito Luciano Mota (PSDB) ser afastado, sob acusação de fraude e lavagem de dinheiro, um agente da Polícia Federal que participou

das investigações é alvo de suspeitas. Dois irmãos dele nomeados secretários municipais, com salários de R$ 15 mil cada.

Vídeos e documentos exclusivos obtidos pelo RJTV mostram que o agente da PF tem uma relação bem próxima com o novo prefeito. O vice-prefeito Weslei Pereira, hoje sem partido, assumiu a prefeitura em 30 de março, depois que Luciano Motta foi afastado do cargo pelo Tribunal Regional Federal, suspeito de chefiar uma quadrilha que desviava verbas dos royalties do petróleo e do Sistema Único de Saúde.

No dia em que assumiu o cargo, Weslei chegou à prefeitura na companhia do policial federal Alexandre José Aranha de Siqueira Lima, que permaneceu ao lado dele o tempo todo.


Fonte: g1.globo.com